4 de set de 2017

PT IA FAZER UM GOLPE DE ESTADO, CORROMPENDO O CONGRESSO E O SUPREMO

Resultado de imagem para Dr. Ariel Dotti fotos
René Ariel Dotti, advogado da Petrobras na Lava Jato, contou, ao Estadão: “A Lava Jato, no meu entendimento, interrompeu um golpe de estado… O PT ia fazer um golpe de estado, na medida em que estava corrompendo grande parte do Congresso e colocando gente no Supremo Tribunal Federal para ter uma continuidade de poder, um projeto de poder. Porque não havia quem votasse contra.”
Ele ainda disse: “O que o PT fez, não a parte de corrupção, a parte de organização foi pensando em tomar o Estado, tomar o poder do Estado. Não é só o poder da assembleia, mas do Estado. De que maneira? Defendendo uma doutrina que é comum ao interesse público, que era naturalmente da ética, da moralidade, sensibilizar a classe estudantil, fazendo com que pessoas, chamando pessoas, chamando jovens, que é o que os partidos, em geral não fazem, que é chamar jovem, porque tem que esse sentimento de rivalidade com o jovem, e o PT sempre chamou os jovens. Reunia religiosos, reunia jovens, estendia em outras camadas, que os partidos não faziam isso. Por isso os partidos perdiam sistematicamente, não tinham mais apoio do povo. Aqueles grupos todos que se multiplicam, igreja, universidade etc, o PT dominou muito bem, e por isso teve o poder. E isso seria o golpe de Estado. Os partidos não pensavam nisso, eram fisiológicos só. O interesse do deputado ou senador, era o interesse de pegar o cargo, não era um interesse do estado”.
Ao apontar os fatos, Dotti ajuda a quebrar o mito dito por parte dos formadores de opinião de que os crimes do PT se limitam à corrupção, na tentativa de esconder crimes piores – como uso da corrupção para projetos totalitários – e colocá-los no mesmo nível de partidos que fizeram corrupção mas não empreenderam projetos totalitários.

Nenhum comentário: